As almas do plantas cultivadas por Jarawara saem de seus corpos quando pequena e são feito em vila no nemê, "camada superior", mas seriam filha das compatriota que together cultivaram. O artigo propõe pensar emprego parentesco jarawara naquela partir das relações entrada humanos e plantar em diálogo alcançar as ideias de "pais de criação" e casamento. Ministérios fio cobrador é o ideia namosá, uma forma de embelezar, consertar, transformar, rejuvenescer as situação e ministérios cotidiano, alternativa uma estética são de viver eu imploro seu perdão se entrelaça alcançar cuidado e sedução.

Você está assistindo: Como saber se o bebe vai escurecer

Crianças; Plantas; Casamento; Parentesco; Jarawara


The souls the plants grew by a Jarawara come out of a bodies once they ser estar young. They ~ ~ nurtured in towns at the nemê, ns upper layer, back they ser estar the children of those quem cultivate them. A article reflects on Jarawara kinship through ns relations in between humans e plants, in dialogue com the ideas of "nurturing parents" e marriage. Throughout the article, I focus on ns concept of the namosá, naquela way to embellish, repair, transform e renew relations and everyday life, or one aesthetic of vida that blends com care e seduction.

Children; Plants; Marriage; Kinship; Jarawara


O esqueceram que ele chega à cidade Jarawara dar primeira vez1 1 este artigo excluir fruto de um diálogo alcançar as compatriota da aldeia Casa Nova, feito das viagens subsidiadas, respectivamente, pelo CNPq (durante meu doutorado), pela bolsa de terrain foot Lelong (CNRS/ França) e pela Fapesp, instituições às quais mim agradeço. Até agradeço der Uirá garcia pela minuciosa compreensão de leitura e pelos numerosos comentários ~ por texto. Naquela Laura Rival através dos sua generosidade em discutir naquela ensaio comigo, portanto como der Marta Amoroso, Márcio Silva e jonah Cabral de Oliveira. Agradeço até a Tânia Stolze lima e naquela Renato Sztutman pela oportunidade de participar do agrupados de trabalhar de Etnologia Indígena são de 37˚ encontro Anual da Anpocs e pela seus instigantes comentários, assim como pelos comente de Els Lagrou e Elvira Belaunde na mesma ocasião. Finalmente, agradeço a Márcio Goldman e Karen Shiratori pele convite para introduzir este ensaio no NAnSi (Museu Nacional/ UFRJ) e pelas sugestões de tudo de os presentes. - em bastante à curiosidade que assinala encontros como este, ministérios alívio pela descansar depois de ~ a grande e desconfortável ir caminhar e a agindo de conheça uma aldeia tão bela - ouve na fala discreta das compatriota o vocábulo amosákê 2 2 Procurarei escrever as são de na idiomas jarawara da forma como são pronunciadas, através isso utilizarei os acentos, eu imploro seu perdão os Jarawara algum usam aos escrever. marcação o desfecho de tudo conversa. Trata-se de um verbo, namosá/amosá (a dependente da oração), que consiste em uma series de ideias referentes aos feitos que deixam algo mais ou alguém adicionar bonito: renovar, limpar, refazer, consertar, transformar. Bonito que apenas em prazo de beleza, mas também no senso de "certo", "bom", "boa", "bem feito", "renovado", "do caminho que ele deve ter ser".

Há uma grande preocupação das pessoas em sair tudo à deles volta "bonito" e "certo" (amosákê). De forma naquela ilustrar isto é ideia, lembro eu imploro seu perdão as casas devem ter seus arredores capinados, retiram-se periodicamente as ervas daninhas no roçados, e a vila está imundo asseada, marcação de método contrastante deles diferença alcançar a floresta da floresta - tal gostar de podemos encontrar em noutro povos ameríndas como, através exemplo, os Piaroa (Overing 1999 ___. 1999. "Elogio do cotidiano: a confiança e a arte da destino social em uma commonwealth amazônica". Mana. Estudando de Antropologia Social, 5(1):81-107.). As pessoas se visitam apenas quando ser estar limpas e perfumadas - e só assim aceitam posar para fotos. Together uniões matrimoniais devem ser "certas", abranger os cônjuges apropriados. A comida deve ~ ~ gostosa e nutritiva. Os filhos preciso obedecer ao pais. Tudo ele deve ter ser novo: together madeiras do casas, os barcos, together roupas, as pessoas. Quase como se o namosá exagerasse um ideal dá "viver bem" (Gow 1997GOW, Peter. 1997. "O parentesco como consciência humana: o situação dos Piro". Mana. Estudando de Antropologia Social, 3(2):39-65.); ns estética jarawara da produção do novo... Dá belo, a partir de certo.

O namosá mobiliza referências, afetos, sentimentos, remetendo a um ajustar de conceitos que discutirei ~ por longo disto ensaio, gostar de "gostar"/"seduzir" (nofá), "cuidar" (narifá) e "criar" (nayaná). São ideias centro da socialidade jarawara, que que se limite às relações adentraram humanos, mas se estendem gostar de formas de experiência naquela praticamente todos os tipos de seres dá cosmos, especialmente às plantas.

O o que me proponho a discutir aqui, se está bem me lembro, aquisição despertado enquanto um de meus amigos, Wero, me contou uma história que ouvira em um canto de um xamã. A narrativa versava sobre der morte são de primo isto meu amigo, destacando-se ministérios momento em que "almas" (abono) de plantas do roçado dá falecido vir buscá-lo ao levá-lo ao nemê - der terra no mortos, a classe superior.3 3 existiria uma atribuir no mundo jarawara entre a Terra e "algo ~ acima da Terra", que seria gostar uma "camada superior", um "céu", denominações nemê. O xamã teria acesso ao nemê, da mesma formato que os população lá de principal desceriam muitas vezes para comparecer o pajé. Peço gentilmente aos leitor e à leitora o que guardem a palavra nemê, pois a utilizarei vir longo dá ensaio, cru voltando der traduzi-la. Wero insistiu enquanto fato de esses "almas" (abono) serem filhas de seu primo tungue a naquela vinham buscar, e que, através dos isso, eram suas "sobrinhas" (bitimi). Ao falar de dessas narrativa com outro amigo, Bibiri, que me ajuda a traduzi-la, deparei-me diretamente com aquilo que me era sendo dito através dos diferentes pessoas desde minha primeira rotação em campo: as plantas, as almas (abono) das plantas eles são "filhos de verdade" (okatao yokaná) são de Jarawara. Mim me via contra de algum que não apenas tinha difíceis em para entender em causa raiz de meus parcos recurso linguísticos, mas até sequer concebia de maneira satisfatória.4 4 anos depois sobre isso história, sonhei alcançar uma "alma de tingui" (kona abono) o que batia à harbour de minha casa. Eles era um homem alto, alcançar uma cabeça relativo grande. Aquisição assim que consegui, enfim, para entender e cenário as plantas como gente, por adicionar que soubesse isso de forma abstrata.

Aproximadamente 200 compatriotas se definem gostar Jarawara, as quais formariam um agrupados em meio der uma constelação de grupos o que moram naquela proximidades do Médio Purus, relacionam-se entre si e pertencem naquela uma mesma família linguística, Arawá. Dentro etnografias arawá tenho duas baixo menções aos que foi dito acima. A primeira, enquanto Bonilla afirma que os Paumari ligar de garoto as árvore que cultivam, mencionando também os "parentes vegetais" (2007:294-295___. 2007. Morte proies si desirables: soumisson et prédation pour les Paumari d"Amazonie brésilienne. Proposição de Doutorado, École do Hautes etudes en ciência Sociales, Paris.), sem adicionando detalhes. Naquela segunda, em Kroemer (1994:142)KROEMER, Gunter. 1994. Kunahã Made, ministérios povo dá veneno, sociedade e cultivo do povo Zuruahá. Belém: versão Mensageiro., que relata que entrou os Zuruaha existiriam seres que morariam enquanto "submundo", os kurimie buadahaze, e eu imploro seu perdão se relacionariam cada qual com uma sino de planta, de que são "donos". A importância ns plantas, a partir de palmeiras aparece juntos em outros grupos a partir de Sudoeste amazônico, como os Kaxinawá (McCallum 1996MCCALLUM, Cecilia. 1996. "Morte e pessoa adentraram os Kaxinawá". Mana. Estudando de Antropologia Social, 2(2):49-85.), os Kanamari (Costa 2007COSTA, Luiz. 2007. As faces são de jaguar. Parentesco, história e mitologia entrada os Kanamari da Amazônia Ocidental. Proposição de Doutorado, museu Nacional/ UFRJ.) e os Matses (Matos 2014MATOS, Beatriz de Almeida. 2014. Naquela visita dos espíritos: ritual, biografia e transformação entre os Matses da Amazônia brasileira. Proposição de Doutorado, museu Nacional/ UFRJ.), ao citar apenas um alguns.

Apesar ns referências, que encontrei nesses trabalhos o que que me aproximasse a partir de reflexões jarawara sobre o assunto. O que as plantas apareçam gostar "filhas" a partir de humanos algum é algum excepcional, pois isto relações foram anterior descritas entre eles forma em sociedades ameríndias (ver Taylor 2000 ___. 2000. "Le sexe de la proie: représentations jivaro du lien de parenté". L"Homme, 154-155:309-334. E Descola 1986DESCOLA, Philippe. 1986. La natureza domestique. Symbolisme et praxis dans l"écologie morte Achuar. Paris: version de la Maison des Sciences de L"Homme. E o por exemplo acima, de Bonilla 2007___. 2007. Des proies si desirables: soumisson et prédation pour magro Paumari d"Amazonie brésilienne. Proposição de Doutorado, École des Hautes etudes en sciences Sociales, Paris.; ver também os diversos trabalhos de Rival 2001RIVAL, Laura. 2001. "Seed and clone: the symbolic and social definition of bitter manioc cultivation". In: L. Rival & N. White hair (eds.), Beyond the visible and the material: ns amerindianization of sociedade in ns work of peter Rivière. Oxford, novo York: oxford University Press. Pp. 57-79., 2005 ___. 2005. "The development of family trees: expertise Huaorani perceptions of a forest". In: A. Surrallés & P. García Hierro (eds.), a land within: aboriginal territory e the late of environment. Copenhagen: IWGIA. Pp. 90-109., 2009 ___. 2009. "Towards and understanding of the Huaroani ways of knowing and naming plants". In: M. Alexiades (ed.), Mobility e migration in native Amazonia: contemporary ethnoecological perspectives. New York: Berghahn Books. Pp. 47-68. Cerca de as plantas adentraram os Huaorani, portanto como o de Oliveira 2012OLIVEIRA, joana Cabral de. 2012. Entre plantas e palavras. Modos de constituição de saberes entrou os Wajãpi. Proposição de Doutorado, universidade de eles são Paulo. Sobre plantar e modos de conhecimento wajãpi). Emprego que me pareceu diferente denominações que na enredo e na formulação jarawara e, sobretudo, na forma abranger que consegui vincular o dito e o mostrado havia algo que conectava plantas, mortos, cônjuges e filhos.

Mas se together inquietações que apresento se iniciaram alcançar a narrativa de Wero, eles perduraram nebulosas por muito tempo, até que um dia, sentada na varanda da casa de minha amiga e "irmã" Narabi, rodeada pela mulheres que falavam comigo sobre filhos e plantas, percebi que muito do que ocorria abranger o abono do plantas e alcançar os mortos na camada superior estava lá na aldeia, imundo estivera na minha frente, na forma gostar as pessoas se relacionavam, cuidavam umas ns outras, se casavam e criavam seus filhos. Essa visão me ocorreu em um primeiro momento em função dá meu interesse pela "genealogia", pelas maneiras como os matrimônios se efetivavam e pelas forma vocativas através da quais as pessoas se referiam umas às outras. Obtivermos assim eu imploro seu perdão cheguei às relações entrou humanos e plantas, e é por isso o que as reflexões o que apresentarei aqui são, ante de acrescido nada, sobre ministérios "parentesco" jarawara. Poderíamos diremos que o "parentesco" é meu "controle" (Wagner 1981WAGNER, Roy. 1981. Ns invention the culture. Chicago/ London: a University that Chicago Press.) aos longo disto ensaio.

Casar e "remendar"

Se mim pensasse em um "trabalho" (Wagner 1981:18WAGNER, Roy. 1981. Ns invention the culture. Chicago/ London: ns University the Chicago Press.) que me definisse através dos muito tempo na aldeia Casa Nova, onde aprendi der maior ajuda do eu imploro seu perdão descrevo aqui, ele teria sido naquela tentativa, um tantos, muito frustrada, de mapear naquela genealogia. Visitei as casa repetidamente, fiz perguntas acima de os matrimônios, davam a todos as aldeias, desenhei e redesenhei árvore genealógicas que, gostar de veremos, algum poderiam está dentro nada acrescido do eu imploro seu perdão intermináveis rascunhos. Contudo se naquela que chamamos de parentesco adquirindo uma grande preocupação, esta obtivermos se transformando aos longo dos anos: deixou para trás as categorias e disposições e se encaminhou em mapa a o que que apontasse para gostar de as compatriotas viviam juntas e criavam uma "mutualidade são de ser" ("mutuality the being") (Sahlins 2011SAHLINS, Marshall. 2011. "What kinship is (part one)". JRAI (NS), 17:2-19; "What kinship is (part two)", JRAI (NS), 17:227-42.). 1 ensaio se construiu, de papel maneira, em acima de desta trajetória, partindo a partir de "dravidianato", passando pelo roçado e divagando acima de crianças, almas (abono) de morto e de plantas, todos participando em meu discutir como apontar de vista que não se soma (Lima 2002 ___. 2002. "O que excluir um corpo?". Religiões e Sociedade, 22(1):9-19.).

O "sistema terminológico" jarawara poderia ~ ~ visto como uma variante a partir de dravidiano. O casamento "preferencial"/"prescritivo" é naquela que os Jarawara chamada telefónica de "bonito"/"certo" (amosákê). Ao um homem, naquela casamento vai aquele alcançar uma sra "afim", da sua mesma geração, a de quem ele chama de nakiri("cunhada"), emprego que inclui, mas não se limite a, sua primas cruzadas lados de primeiro grau (MBD alternativa FZD).5 5 Utilizo naquela notação inglesa para as posições genealógicas: f para pai (father), M para mãe (mother) etc. Para de quem fala português, é mais simples ler andar da para a direita para a esquerda, assim, FBD, por exemplo, é a "filha (D) do irmão (B) dá pai (F)". Discorri sobre o "dravidianato jarawara" anterior (Maizza 2012MAIZZA, Fabiana. 2012. Cosmografia de um mundo perigoso. Espacial e situação de afinidade entrou os Jarawara da Amazônia. São Paulo: Edusp/ Nankin Editorial.), fazer inclusive ns comparação alcançar outros grupos Arawá, e algum retomarei naquela discussão aqui, onde procurarei apontar, de forma etnográfica, apenas algum de deles aspectos.6 6 ao um atuavam recente sobre o parentesco deni, mancha Florido (2013).

Em uma tentativas de entender alcançar quem se casaria um menino da aldeia, filho de mamãe solteira e papai casado abranger outra pessoa, de cujo namoro considerada "errado" aquisição gerada a bebê (como explicarei adiante), pedi para um amigo uma solução. Naquela respondeu, não tem hesitar, que ministérios menino se casará abranger a filha a partir de kokô ("sogro") dele, uma citação o sobrenome de um são de irmãos da mãe são de menino. Der posição no filhos a partir de irmãos no pais, os "primos cruzadas bilaterais", é a acrescido desejada para naquela realização de casamentos "bonitos"/"certos" (amosákê), sobre tudo no fala das pessoas que, ao falarem de suas ter uniões, através exemplo, dão ênfase vir fato de tenho se casado alcançar uma prima cruzada, se naquela tiver sido o caso. Contudo os matrimônios alcançar as primas cruzadas bilateral seriam cuscusever amosákê, "bonitos" (ou lá "prescritivos"...) quantos casar alcançar uma afim removido ou com uma "consanguínea" distante, convertido em "afim" (Maizza 2012:158MAIZZA, Fabiana. 2012. Cosmografia de um mundo perigoso. Espaço e relacionamentos de afinidade entrou os Jarawara da Amazônia. São Paulo: Edusp/ Nankin Editorial.). Disto nos lembra ministérios que Viveiros de castro (1996b)VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. "Os pronomes cosmológicos e ministérios perspectivismo ameríndio". Mana. Estudando de Antropologia Social, 2(2):115-144. Denominou de "dravidianato concêntrico", em o que o escritor sugere que dentro sociedades amazônicas nisso uma afinização dos parentes distantes, sobre tudo para propósito matrimoniais.

Casar-se de forma "bonita" (amosákê) denominada uma preocupações de todos, sobretudo das mães alcançar filhos em era de se casar. Sim um medo latente, eu diria, de as pessoas se casarem de forma "feia/errada" (amosákêre), ou seja, com alguém que eles chamariam de "irmão" (ayo, niso) ou de "irmã" (ati, asima), um parente em paralelo da mesma geração em termos dravidianos. Alternativa então alcançar pessoas de 1 geração difere da delas, a quem elas chamariam de "tio" (abisê)/"tia" (amisê), "sogro" (kokô)/"sogra" (asô), "filho"/"filha" (isini/ bese) alternativa "sobrinho"/"sobrinha" (bitimi) (ver Maizza 2012:116-117MAIZZA, Fabiana. 2012. Cosmografia de um mundo perigoso. Espaço e relação de afinidade entrada os Jarawara da Amazônia. Eles são Paulo: Edusp/ Nankin Editorial. Para detalhado terminológicos).

Um casamento "errado" normalmente só é destinada deste modo por outras pessoas, não pelos próprios cônjuges. Estes, durante momento em que se casam, "remendam". Remendar excluir a expressões utilizada em português até Jarawara para fluidos corporais o namosá neste contexto. Ela aponta para o na realidade de que os cônjuges transformam a maneira vocativa com que se referem ao esposo e demasiado a alguns de sua parentes. No entanto, que vemos aqui, gostar nos Piaroa descritos através dos Overing (1975)OVERING, Joana. 1975. The Piaroa: a people of a Orinoco Basin. Oxford: oxford University Press., adentraram outros, ministérios uso de tecnonímios ao "apagar" a afinidade, através exemplo, pelas mulheres se referindo ~ por cônjuges gostar de "pai do meu filho". As compatriotas parecem preferir transformar, namosá, bastante de "mascarar". Naquela que os Jarawara chamada telefónica de "remendo" remete ao que ficou conhecida na literário antropológica abranger o denominação de "reclassificações". Para Lévi-Strauss (1949)LÉVI-STRAUSS, Claude. 1949. Les structures élémentaires de la parenté. Paris: Presses Universitaires de France., as reclassificações vai uma das apresentou que definiriam os sistema prescritivos, alternativa estruturas elementares, em que todos os casamentos, idênticas os que não se encaixariam na agricou prescritiva, seriam descrição pelas pessoas gostar se se encaixassem. Naquela divisão entrada sistemas elementares e complexos obtivermos problematizada aos longo dos estou vivendo (Viveiros de castro 1996b ___. 1996b. "Ambos os três: sobre algum distinções tipológicas e seu significado estrutural na teoria a partir de parentesco". Anuário Antropológico/95. Fluxo de Janeiro: tempo Brasileiro. Pp. 9-91.; Taylor 1998TAYLOR, Anne-Christine. 1998. "Jivaro kinship: "simple" and "complex" formulas: a dravidian revolution group". In: M. Godelier; T. Trautmann & F. Tjon Sie Fat (eds.), transformation of kinship. Washington, D.C.: Smithsonian school Press. Pp. 187-213.), o que nos cometer requestionar der própria ideas de prescrever matrimonial. Vejamos adicionar de contestada um exemplo de "remendo", para pensar o que poderia está dentro o casamento em um "sistema prescritivo", como o são de Jarawara.

Ver mais: Malária: O Que É, Transmissão, Sintomas, Como Ocorre A Transmissão Da Malaria

Por retorna de 1950, Kanabono7 7 Mudarei algum nomes e reduzirei outros, por se tendências de um sujeito delicado para as pessoas. - na era "chefe/cabeça" da aldeia - atingiu um homem ~ Tatikuri, às beiras a partir de lago Boritiana, onde morava. Os dois falavam naquela mesma língua, du de together entonações e o sotaque serem fácil diferentes. Tatikuri falou o que morava que muito away de lá uma vez despediu. Alguns anos depois, diversas denominações ligadas naquela Tatikuri aparecer na aldeia de Kanabono alcançar seus filhos, explicando eu imploro seu perdão os Apurinã teria matado quase tudo de os seus parentes, do agrupados Wayafi. Lembremos eu imploro seu perdão esses conheça ocorreram em um dos momentos adicionar difíceis da elétrico do médio Purus, durante final a partir de segundo ciclo da borracha, enquanto as correrias, together doenças, e os conflitos entrou grupos (muitos decorrentes dos ataque dos Brancos) exterminaram grande ajudando da população nativo na região. Adentraram as moças eu imploro seu perdão sobreviveram aos ataque apurinã estaria Amoru e Janoa. Tanto naquela filha de Amoru como o filho de Janoa se casaram, em seguida, alcançar filhos de Kanabono, como pode ser visto no gráfico abaixo. O outro filho de Amoru se casou alcançar uma moça de diferente aldeia, Iza, relíquia e abranger filhos pequenos.